segunda-feira, 29 de junho de 2015

O perdão



Outro dia estava na minha sessão semanal de terapia com Pastor Tercio e falava com ele sobre a minha grande angústia por não estar conseguindo perdoar uma pessoa que me machucou muito, muito mesmo. Eu explicava para ele, aos prantos, que estava sentindo coisas que jamais havia sentido em toda a minha vida. "Pastor, parece que tem um elefante sentado no meu peito, me impedindo de respirar", falei. 
Ele só me olhava. O choro não acalmava, e ele continuava me olhando e me dando lencinhos de papel. E eu falava, falava, e questionava ele sobre os motivos que levam as pessoas a agirem com tanta sordidez,  desprezando o dano que podem provocar nos outros.  
"Filha... você está fazendo as perguntas erradas. Você não deve se importar com os motivos das pessoas, pois elas são o que são e dão o que tem pra dar. E você deve, em primeiro lugar, pensar em se perdoar. Porque ninguém te enganou. Foi você que se deixou enganar", disse ele. 
Parei de soluçar e encarei aqueles olhos azuis, que me fitavam cheios de ternura. Aquele foi um grande momento de revelação para mim. À medida que as palavras iam sendo digeridas e assimiladas,  o elefante foi se levantando do meu peito. O ar voltou a entrar, oxigenar, e sair...
Pronto. É isso. Entendi. Entendi e foi tão libertador que vou tentar explicar para vocês. Não devemos nos culpar pelo que sentimos, pelo que vivemos,  pelo que nos permitimos. Não devemos sentir culpa pelo que demos, mesmo que a recíproca não tenha sido à altura. O perdão mais importante é aquele que concedemos a nós mesmos. Por meio dele, nos libertamos das prisões da mágoa,  do rancor e do ressentimento. 
Tem uma música do Natiruts que fala assim: "leve com você só o que foi bom, ódio e rancor não dão em nada (...) mas não tem nada, não. Só guardo o que foi bom no meu coração,  o amor é como o sol: sabe como renascer". E sabe mesmo. O amor nos faz renascer. Não o amor de alguém ou por alguém.  Mas o amor por nós mesmos. E quem ama, perdoa. Eu me amo. Logo, me perdôo. E, por me perdoar, consigo perdoar as outras pessoas. Reação em cadeia do bem, faz bem pra alma, pro corpo e pra o coração.   
Exercitemos, pois, o perdão. O auto-perdão. 
Eu me perdôo por ter feito algumas escolhas erradas.
Eu me perdôo por ter batido o carro duas vezes na mesma garagem.
Eu me perdôo por ter me deixado engordar tanto e precisar reduzir o estômago para conseguir ver os meus pés. 
Eu me perdôo por não ter passado no concurso da Alepe. 
Eu me perdôo por ter medo de tomar decisões erradas com meu filho. 
Eu me perdôo, enfim. 
Errar é humano. Eu cometo erros, pois é exatamente isso que eu sou: humana. Nem Mulher Maravilha, máquina.  Gente, de carne e osso - mais carne do que osso, by the way
E eu me perdôo por isso também.
Culpe-se menos. Ame-se mais. Um dos segredos da felicidade.

2 comentários:

O que você tem a dizer sobre isso?