terça-feira, 14 de junho de 2011

Diversão de "primeira classe"

somos todos mutantes, não é?
Assim... eu sou fanzona da série X-men. Amo, amo, amo. Tenho em DVD os três filmes da série além, claro, de Wolverine. E confesso que depois de Wolverine pensei que seria muito difícil fazer um outro tão bom ou melhor. Pensei isso até ontem, antes de assistir o X-men: primeira classe (X-men first class). O filme é, entre outros adjetivos, sensacional. Os efeitos visuais, a trilha sonora, o elenco... tudo é, de fato, de primeira classe (trocadalho do carilho). Eu, verdadeiramente, não consegui desgrudar os olhos da tela por um segundo sequer. Foi massa descobrir o porquê das coisas, tipo como Xavier virou cadeirante, por exemplo. Sim, pra mim foi uma descoberta, já que eu não lia os comics da Marvel (sempre gostei mesmo da turma da Mônica). O filme começa com a história de Erik Lehnsherr, o Magneto (não considero um spoiler falar sobre isso, já que trata-se de algo que já foi retratado nos filmes). Ele, que descobre os poderes ao perder a família num campo de concentração nazista, é um mutante do mal. Vira do mal, aliás, por conta de quem o descobriu, digamos assim. Esse cara que o 'descobre' é interpretado por Kevin Bacon, cuja imagem não consigo dissociar de Footloose. Todo mundo sabe, né? O poder dele, Erik, se manifesta, em princípio, na emoção. Mas o que chama atenção são os efeitos da cena. Fantásticos objetos retorcidos, metais voando para todo lado, além da carga emocional gigantesca. Gostei, gostei muito mesmo. Hugh Jackman aparece na película com o seu Wolverine, lindo, lindo, lindo! 30 segundos de cena? Acho que menos. Mas perfeito. Queria ver de novo, dessa vez em 3D. Por falar em 3D, vem aí uma safra de "filmes de férias" imperdíveis, como Transformers 3 e o último capítulo da saga de Harry Potter, cuja estreia está marcada - e esperada ansiosamente por mim - para o dia 15 de julho (ainda faltam 30 dias? isso tudinho??). Imagina ver HP em 3D? O dragão, a batalha final... ai, ai, ai... mal posso esperar! Mas sim, voltando aos X-men... O Charles Xavier de James MacAvoy é interessantíssimo, pois o sotaque britânico dele é algo de sensacional. Lembram dele, né? De "o último rei da Escócia"? Ou ainda como o fauno Mr. Tumnus das "crônicas de Nárnia"? Pois é. É ele merminho. Outra coisa que achei bem bacana foi a explicação dos nomes dos mutantes. Magneto, Fera, Mística, Professor, et cetera. Gente, na boa... gostei de tudo do filme. Tudo mesmo. É tanto que nem achei longo, o gatinho que comentou que era grande, mas eu nem percebi, envolvida que estava com a história e com o deleite visual. Há rumores de mais e mais filmes. X-men 4 e 5 já estão prometidos. E quem mais vai estar lá sou eu, lindamente. Personagens não faltam, né? O limite é nada menos que a criatividade. E a julgar pelo que acompanho na série de filmes... isso não é problema. Fui, gostei, recomendo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você tem a dizer sobre isso?