domingo, 27 de fevereiro de 2011

Ele me faz tão bem!

tô feliz que nem o gato de Alice!
Hoje em dia as coisas são muito diferentes da minha época de adolescente. E na minha época de adolescente as coisas eram diferentes da época da minha mãe. E assim sucessivamente. Mas... tem coisas que deveriam permanecer iguais. Ou pelo menos parecidas. Ou qualquer coisa que o valha. Assim não ficaríamos com essa dúvida sobre o nome dos bois, vocês não acham? Já se passaram três semanas desde o dia em que eu conheci um cara no show do Capital Inicial. Ele, como eu já falei aqui, parecia meio perdido no Chevrolet Hall, com a sua dancinha arritmada e sua camisa pólo listradinha. Mesmo assim nós conversamos muito, ficamos juntos, blá blá blá. Nos falamos depois do show. Marcamos para sair. Saímos. Ficamos de novo. E agora ele foi... promovido a namorado!!! Sim, leitores! Eu estou namorando!!! O nome do boi é na-mo-ra-do. Ele me "pediu" ontem, não é legal? Pediu mesmo, tipo: "quer namorar comigo?". Pode parecer careta e atrasado, mas isso é deveras legal. Legal, inclusive, pra que a gente saiba em que território estamos pisando. Afinal, numa relação, é preciso saber até onde podemos ir, né? E até onde não podemos ir, hahahaha... Enfim... Mas ele é mesmo um mocinho muito bacana. Essa semana ele me preparou uma linda surpresa que envolvia tábua de frios (feita por ele), vinho e o meu bolo preferido: rolo. Foi lindo. É como eu falo pra ele - e espero que ele não fique muito convencido: o potencial bélico dele é alto demais! Além de ser compreensivo, companheiro, fofíssimo, gatinho, não ter barriga, ainda prepara guloseimas e... escreve poesia!! Ah, gente... ele escreveu uma poesia pra mim! Corramarlinda, meu Deus do céu!! Eu tinha mandado pra ele I carry your heart with me, de E.E. Cummings e ele atacou com uma autoral. Pense... Fiquei emocionada. De verdade. Esse é um dos dons que ele tem: me emocionar. Outro é me fazer bem. Ele me faz sentir segura, querida, cuidada, desejada, e isso é muito, muito bom. Estou feliz, pessoal. Feliz como há muito não me sentia. E aproveitarei cada momento dessa felicidade, intensamente. Com ele ao meu lado, claro. E, para não perder o hábito de parafrasear, ataco, agora, em dose dupla: Vinícius e Peninha. Que seja infinito enquanto dure e que dure para sempre. Amém.

Um comentário:

  1. Descobri seu blog hoje e parabéns! E viva o amor! Benzadeu! Que venha o eros, o storge o pragma etc e etc!

    ResponderExcluir

O que você tem a dizer sobre isso?