segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Sharpei

cut-cut
Vocês sabem o que é um sharpei? Sharpei é o nome de uma raça de cão. A principal característica desse bichinho oriundo da China é a "pele macia e pendente em largas rugas", de acordo com a wikipedia. Eu chamo de pelanca mesmo. O sharpei é um cãozinho pelancudo. E fofo, vai... Ele é fofo. Não mais que o feioso pug, mas é fofo sim. Pois bem. É mais ou menos como um sharpei que eu me sinto agora, quase 10 meses após a redução de estômago. Tá. Eu vou exagerada. Mas pense que estou contando os segundos pra entrar na faca novamente, só que desta vez para uma sequência de cirurgias plásticas reparadoras. Há alguns dias tive a primeira consulta com o cirurgião plástico indicado pelo plano. Único, aliás. Confesso que saí de lá meio... decepcionada, digamos assim. Por que?  Porque o cirurgião me disse várias coisas pouco bacanas, como: você ainda precisa perder muito peso pra poder fazer plástica; você tem que esperar pelo menos um ano e meio depois da gastro pra pensar em plástica; não podemos operar coxas e barriga na mesma intervenção, no máximo barriga e mamas; e - o golpe mortal - o plano só cobre a abdominoplastia. Ou seja: o bucho. Pra fazer, por exemplo, barriga e mamas eu teria que desembolsar algo na casa dos 10 mil reais. Caraca... fiquei arrasada! Nas consultas pré-redução fui informada de que os planos eram obrigados a cobrir retirada de pele, além da barriga, das costas, das coxas, dos braços e das mamas. A notícia dada pelo cirurgião plástico foi um banho de água fria nas minhas expectativas de chegar aos 40 anos com o corpitcho de Gisele. Inconformada, consultei um advogado, que me disse que os planos são sim obrigados a pagar por esses procedimentos, mas que é necessário entrar com uma ação, ou um mandato, ou uma medida, sei lá o nome jurídico que se dá pra essas coisas. Enfim... o fato é que as coisas não serão assim tão simples. Tenho um plano "b", que é o oferecimento deveras brodagem da mãe do meu amigo Igor em me dar de presente a cirurgia e a anestesia (ela é anestesista e o padrinho dele é cirurgião) e eu arcaria, apenas, com o hospital. Custo: mais ou menos 7 mil reais. Tá. Vamos economizar e transferir a meta do KiKi minha casa minha vida 2 para 2012. Mas eis que conversando com uma pessoa que trabalha há anos no IMIP fiquei sabendo que para gastroplastizados não é necessário entrar em fila de espera para realizar as cirurgias lá. Fiquei feliz demais com a notícia, pois vi que não dependo apenas do plano, tenho outras opções. Mas, na verdade, de uma forma ou de outra, vou ter que fazer os procedimentos reparadores, pois, infelizmente a pele é um negocinho que não volta para o lugar depois que a gente perde peso. E eu perdi 50 kg, né? É um peso considerável. O fato é que vou fazer, ou pelo plano, ou com a mãe de Igor, ou no IMIP, mas as cirurgias são necessárias de fato. Enquanto resolvo qual caminho vou seguir, vou seguindo a orientação do cirurgião: perca mais 15kg e faça, diariamente, exercícios aeróbicos. "Aeróbicos?", perguntei. "O médico que me operou me mandou fazer musculação", disse. "Não, não. Musculação só complica a vida do cirurgião plástico. Faça exercícios que melhorem a sua capacidade cardio-respiratória e acelerem da perda de peso", explicou ele. Vai entender! Mas ele foi convincente. O outro também. Então o ideal na minha cabeça é aliar os exercícios aeróbicos com a musculação leve. Ai, ai... Senhor, dai-me coragem para começar. Ando super-Garfield, preguiçosa que só. Mas tudo na vida tem que ter um começo e o meu começo é o plano traçado. Agora só falta decidir o dia de colocá-lo em prática. Enquanto isso vou assistindo os episódios de Doctor Rey e me preparando para o que vou enfrentar. Mas agora já posso sonhar novamente em chegar aos 40 com um corpinho de modelete! Adorei!!

5 comentários:

  1. O seu cirurgião plástico está com a razão. A musculação vai enrijecer não só músculos, mas tb tecidos, dificultando a vida dele. Prefira os exercícios aeróbicos e deixe para malhar pesado bem depois das pricipais plásticas, principalmente a abdominoplastia. Ter paciência é importante e necessário nessa fase. Vai valer a pena, acredite.

    ResponderExcluir
  2. Kiki, quero muito fazer a mesma cirurgia que você fez, mas apesar de saber que os resultados são rápidos, fico imaginando que após a cirurgia não conseguirei transar com alguém. Uma amiga tirou a roupa para o ficante dela, e ele inventou uma desculpa, foi embora e nunca mais ligou pra ela. Só de pensar nisso, dou um passo atrás. Como foi sua experiência após a cirurgia no sexo?

    ResponderExcluir
  3. Veja bem... se eu te falar que a minha, digamos, volta ao mercado, foi 100% tranquila estarei mentindo. É tanto que da cirurgia até o debut se passaram seis meses. essa questão da flacidez foi um dos pontos nos quais a minha psicóloga mais insistiu, justamente por conta da aceitação do que vemos refletido no espelho pós-gastro. conversei com ela, conversei com amigos, mas, principalmente, me perguntei se eu queria realmente parar a minha vida sexual até terminar as reparações, o que compreende um período de mais ou menos 2 anos, ou se seguiria como sempre fui, desencanada e feliz. marquei um "X" na opção 2: (x) desencanar e ser feliz. isto posto, só posso te dizer que estou muito satisfeita com a nova fase que estou vivendo. já fiquei com reprises e lançamentos, e tudo correu muito bem, graças a Deus. desencana, gata. faz o que é melhor pra você e o que é melhor pra você ninguém sabe mais do que você mesma. mas caso você precise conversar estou às ordens. só finalizo dizendo que, depois do meu filho, a gastroplastia foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. com ou sem pelanca. =)

    ResponderExcluir
  4. Bem... Se o cara está com você e desiste por que você está flácida?! Você teve foi sorte! Esse tipo de cara é a maior roubada do mundo!! Já pensou se vocês transam e depois ele sai por aí divulgando?? É muito pior...
    Mas infelizmente bate mesmo a insegurança... Eu também fiz a cirúrgia e foi ótimo pra mim também! Mas ainda não tive a experiência de sexo pós-gastro. A primeira vez que cogitei a possibilidade confesso que me deu muito medo de decepcionar o parceiro, afinal tava tudo muito bem amarrado com a cinta, neh?! auhauh
    Agora desencanei um pouco... Seja o que Deus quiser!

    ResponderExcluir
  5. Eu, que sempre fui gorda, acredito que o tesão é algo que transcende o que os olhos vêem. sério mesmo, isso não é papo de gordo não. até porque ou eu REALMENTE acreditava nisso ou a minha vida teria sido um fracasso, não apenas no campo sexual. mas não foi, graças a Deus. é claro que bate insegurança, é claro que a gente se sente meio constrangida (algumas vezes mais que outras), mas cara... tem que relaxar e aproveitar cada momento da vida. agora mesmo, depois da redução, eu estou saindo com um menino, só saindo mesmo, e a coisa do tirar o modelador e a cinta virou uma brincadeira, entende? confortável? não, não é. empecilho? tampouco. problemas todo mundo tem, cara. mas fazer do problema um problemão depende só da gente mesmo. o cara te rejeitou? bota pra andar, rapaz! =)

    ResponderExcluir

O que você tem a dizer sobre isso?