sábado, 22 de janeiro de 2011

Apostando todas as fichas

Como as relações se constroem? É muito bacana quando percebemos que uma relação, seja ela de nível emocional ou profissional, está evoluindo. As ligações e emails são mais frequentes, a procura para encontros é intensificada. É legal mesmo. E, por vezes, as relações são inusitadas. Exemplo: eu e Mônica. Há quatro anos Mônica foi trabalhar na empresa na qual eu estou, hoje, há quase nove. A aposta geral era que ela e eu não nos daríamos bem. Temos temperamentos parecidos. Somos desbocadas, verdadeiras, sinceras demais e, por vezes, levemente inconvenientes. É semelhança demais, né? Moral da história: hoje ela é minha comadre e uma das minhas melhores e mais queridas amigas. Mas isso só foi possível porque tanto ela - que escutou horrores sobre mim antes de chegar na empresa - quanto eu - que também tive referências do quão difícil era ela - resolvemos construir a opinião baseadas no nosso conhecimento e não no que nos disseram. E veja como foi bom, né? No trabalho é mais ou menos a mesma coisa. Quando começa tudo está no território da aposta mesmo. O contratante avaliando você, sua competência profissional e o traquejo para lidar com a equipe. Você avaliando se o trabalho é legal, se a remuneração está adequada ao serviço, se a equipe é boa pra trabalhar... Então vão te dando mais responsabilidades dentro da empresa, você é convidado a participar de reuniões, enfim. No meu segundo trabalho foi assim também. Cheguei lá, coincidentemente indicada por Mônica, pra prestar um serviço. Renato, meu filho, ainda mamava. Estou lá há um ano e meio. É muito gratificante tudo isso. É gratificante quando você se sente necessário na vida das pessoas e, também, na vida de uma empresa. Nos faz perceber que somos bons e que estamos no caminho certo. Sou uma pessoa muito abençoada nesses dois campos. Tenho - e mantenho - bons e fiéis amigos. Tenho - e também mantenho - bons trabalhos. Mas tudo começou, mesmo, com uma aposta. Relações são assim mesmo. Você aposta que vai dar certo e, como diz aquela música de Guilherme Arantes que Vanusa canta: "nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar". Mas é massa mesmo quando a gente aposta e ganha. Né? =)

5 comentários:

  1. Muitas vezes pra gente dar valor ao sol, os dias de chuva são necessários. :)

    ResponderExcluir
  2. A música é de Elis Regina. Não sabia que Vanusa tinha gravado. Valeu pela dica! Bejuxx

    ResponderExcluir
  3. Elis Regina também gravou. Mas a música é de Guilherme Arantes.
    Beijos, viajante!!!!
    =)

    ResponderExcluir
  4. Quantas vezes conversamos sobre isso, né? É muito bom poder refletir...e o melhor, poder continuar apostanto. Bj-ocas, comadre!

    ResponderExcluir
  5. "Levemente inconvenientes" huahuahuahua

    ResponderExcluir

O que você tem a dizer sobre isso?