domingo, 14 de novembro de 2010

Às cegas e no escuro

Esse negócio de blind date (encontro às cegas) pode mesmo ser uma grande roubada. Mas pode também não ser uma grande roubada. Pode ser, simplesmente... estranho. Recentemente colhi o meu primeiro fruto daquele site de namoro que me cadastrei. Depois de uma semana trocando emails e telefonemas marcamos um encontro – num bar lotado de amigos meus, by the way. Ansiosa a gente fica, né? Conhecer uma pessoa nova, uma prospecção, por assim dizer, deixa a gente meio tensa. Mas enfim. Marquei, fui. Ele já estava lá, devia estar mais ansioso que eu. Educado, foi me receber no carro. A primeira frase dele? “Você é mais alta que eu!!”. Ah, tá. Oi pra você também. A partir daí o encontro foi estranho. Não sei se pelo infeliz comentário de abre-alas, que me deixou pouco à vontade com ele, ou se pelo fato de parar a conversa a cada cinco minutos para cumprimentar meus amigos, ou ainda se pelo fato do comentário dele ter, realmente, me chamado atenção para a sua baixa estatura. Não chegava a ser um hobbit, mas ele era sim menor do que eu. O encontro durou pouco. Ele, argumentando que morava far, far away, disse que não ia se demorar. Como falei antes, sabida que sou marquei num bar cheio de gente conhecida. Era aniversário de um amigo da época do colégio, ou seja, de apenas 20 e poucos anos atrás. Hehehehehe. Depois que meu blind date se foi eu e minha amiga Paty entramos para aproveitar a festa, que estava ótima. Turma dos anos 80, som compatível. Dancei todas ao som da banda Seu Batista, que tocava alucinadamente cover dos sucessos da minha época de adolescente. Hits dos “heróis da resistência”, “plebe rude” e afins. Mó legal. Cheguei em casa cansada, feliz e resolvida a deletar meu perfil do site de namoro. Vou mesmo é relaxar e deixar esse lance de encontro nas mãos de Deus. Ele, sábio, entende melhor dessas coisas que eu. Encontro às cegas, never more. 

9 comentários:

  1. É Kiki, vida de pescadora não é fácil, e você quis tanto aquele Atun que acabou mesmo foi com uma simples cioba. Vamos ser sinceros, esse negócio de Blind Date é literalmente para quem deficiência visual. Nada se compara a conhecer uma pessoa ao vivo, a cores e em 3D. Moral da história, se você quer um peixe, não vá buscá-lo na internet, arrisque-se com os tubarões de Boa Viagem. Quem sabe esse sim não é o peixe que você tanto procura.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Kiki, acho que esse lobo quer te pegar.

    ResponderExcluir
  4. hahahahahahaha... óa, Lobo... =)
    Roque!!! Traz o buquê!!!

    ResponderExcluir
  5. Para todos os leitores anônimos, ou não, quero deixar claro que Kiki é apenas uma antiga amiga, nada mais. Não existe nenhuma possibilidade de pegação, pq quem eu quero já tenho, e não trocaria por ninguem, principalmente por uma amiga como Kiki. Prezo muito pelo respeito da pessoa que gosto e de meus amigos.

    ResponderExcluir
  6. Roque!!!!!!!!!!
    Leva o buquê!!!!!!!!!!!!
    hahahhahahahhaha
    =P

    ResponderExcluir
  7. Estória da carochinha da Chapeuzinho Vermelho e Lobo Mau pra boi dormir. Quem vocês querem enganar dona Kiki e sr Lobo Mau? Nós leitores estamos ávidos para saber o desenrolar desse romance.

    ResponderExcluir
  8. menino... esse boataria tá ficando séria... daqui a pouco vou levar uma surra virtual... =P
    mas, vamos lá, vou me dar o trabalho de esclarecer: eu e o Lobo Solitário somos amigos - e nada além disso. estou solteira/sozinha (recebendo currículos e distribuindo fichas) e, até onde eu sei, o Lobo não é assim tão solitário... mas enfim, espero que tudo esteja claro agora. bora arrumar uma lavagem de roupa agora, pessoal?

    ResponderExcluir

O que você tem a dizer sobre isso?